DESENVOLVIMENTO PESSOALOPINIÃO

OPINIÃO: Ceder tem a ver com amadurecer.

Esses dias, nas conversas que tenho comigo mesmo, eu estava refletindo sobre um tema que considero fundamental para os nossos relacionamentos em geral: A importância de aprender a ceder.

Gente, não é fácil, mas eu percebi que à medida que vamos amadurecendo, parece que a gente vai se dando conta do quanto aprender a ceder pode ser uma poderosa ferramenta para manter a harmonia em nossas amizades, relacionamentos e no dia a dia. 

E neste texto opinativo, eu quero explorar com você exatamente isso. 

Aprender a controlar o ego da razão e praticar a arte de ceder pode nos levar a um caminho de paz interior que pode ajudar a deixar os nossos dias mais leves.

Ceder tem a ver com empatia.

Quando a gente tá disposto(a) a ceder, estamos demonstrando uma qualidade valiosa: A empatia. 

Reconhecemos que nem sempre estamos certos e que as opiniões e necessidades dos outros também têm importância. 

A empatia ajuda a gente a se colocar no lugar do outro, compreender seus pontos de vista e encontrar soluções que sejam mutuamente satisfatórias. 

É um gesto de generosidade que fortalece as conexões e promove uma convivência saudável.

Eu sinto que quanto mais a gente exerce a empatia, mais a gente aprende a ceder. 

É um exercício que precisa ser feito diariamente, porque na prática não é fácil ter a paciência de respirar fundo e ouvir o outro lado também, mesmo achando que estamos completamente certos das nossas opiniões.

O ego da razão é um vilão que precisa ser domado.

O ego da razão é um vilão que muitas vezes nos impulsiona a acreditar que estamos sempre certos e que ceder é um sinal de fraqueza. 

E é nessas horas que a gente precisa ouvir os heróis da nossa cabeça, que são a compreensão e a flexibilidade.

Às vezes, precisamos deixar nosso ego de lado, abrir mão da necessidade de ter razão e permitir que o diálogo e as razões dos outros também sejam importantes de serem refletidas, até para que a gente possa entender porque a pessoa muita das vezes age de forma que a gente não concorda.

Essa humildade nos torna mais sábios e nos ajuda a construir relacionamentos mais saudáveis e duradouros.

A gente só tem a ganhar quando cede e ajuda as pessoas que se conectam com a gente a ceder também.

Todo mundo sai ganhando quando cede.

Ao ceder, não estamos abrindo mão de nossas convicções ou nos diminuindo. 

Pelo contrário, estamos construindo pontes e cultivando a compreensão mútua. 

A cedência nos permite encontrar um terreno comum onde todos possam se sentir ouvidos e respeitados. 

É um ato de equilíbrio, onde cada parte abre mão de algo em prol do bem-estar coletivo. 

Essa prática fortalece os laços interpessoais, promove o crescimento pessoal e nos torna pessoas mais resilientes e adaptáveis.

Conclusão:

À medida que a gente vai amadurecendo, a gente vai percebendo que ceder não é sinal de fraqueza, mas sim de muita sabedoria e empatia. 

Controlar o vilão do ego da razão e adotar como heróis a compreensão e a flexibilidade, nos leva a relações mais saudáveis e harmoniosas. 

A cedência mútua nos permite construir pontes e encontrar soluções que sejam benéficas para todos. Ninguém sai perdendo por ceder.

A gente precisa parar urgentemente com essa mania de achar que só a nossa opinião, sentimentos, ideias, são importantes e aprender a ouvir os outros também.

O diálogo é sempre a melhor opção em todos os momentos.

Ninguém é mais do que ninguém, estamos todos na fila esperando para comprar o nosso pão.

@WellasDiniz


[ assista minha série de textos no Youtube ] 👇

O que você achou do post?

Gostei
2
Inspirador
2
Amei
8
Necessário
2
Engraçado
0
Wellas Diniz
Escritor, produtor audiovisual, criador de conteúdo digital, editor de vídeos para cinema, TV e internet. Amo ler e escrever sobre motivação e acredito que uma boa troca de ideias é capaz de transformar o dia de alguém.

Veja também

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

3 × quatro =