CRÔNICASDESENVOLVIMENTO PESSOALREFLEXÕES

O dia que eu fugi da gaiola.

Era uma manhã como qualquer outra. Eu acordei, levantei e fiz o mesmo que eu fazia todos os dias. Repetir era a minha rotina.

Eu sentia que a minha pequena gaiola era incrível, tinha tudo que eu precisava, mas estava ficando pequena demais para mim.

Por outro lado, o mundo lá fora parecia tão grande, assustador, desafiador, impossível de ser explorado, que eu me sentia pequeno demais pra sair. Eu apenas aceitava a minha condição.

Você já se sentiu como um passarinho preso em uma gaiola? Eu já. E não foi uma sensação boa. Eu me sentia limitado, frustrado, sem esperança. 

Eu olhava para o céu e via os outros passarinhos voando livres e felizes, e eu me perguntava: Por que eu não posso ser como eles? Por que eu tenho que ficar aqui nesse espaço tão pequeno e sem graça? Por que eu tenho que aceitar a minha condição?

E começar a se questionar sobre as coisas, é o primeiro passo para a mudança. Minhas asinhas começaram a coçar.

Um dia, algo inesperado da minha rotina aconteceu. Os donos da minha gaiola esqueceram de trancar a porta. Eu quase nem acreditei quando percebi uma brecha. Era a minha chance de escapar. 

Eu travei, senti muito medo, eu tinha tudo que eu precisava, mas sentia que poderia mais. Eu estava ali parado, pensativo, entre a oportunidade e a realidade. 

Uma guerra começou na minha cabeça. Muitas perguntas sem respostas.

Será que eu deveria sair? Será que eu conseguiria me adaptar lá fora? Será que eu não estaria mais seguro aqui dentro? Eu sempre fui um passarinho que tinha muito medo do desconhecido. Eu tinha medo de voar. Eu tinha medo de mudar.

Foi então que eu fechei meus olhos e ouvi uma voz dentro de mim. Era o meu eu interior, aquele que sempre sonhou em voar alto e conhecer o mundo. Ele me disse: “Não tenha medo. Você nasceu para ser livre.”

Todas as outras vozes assustadas da minha cabeça foram se calando e a voz do incentivo foi falando mais alto e ela me dizia:

“Você tem asas para explorar novas possibilidades, novas ideias, novas perspectivas de vida. Você tem um potencial enorme que está sendo desperdiçado nessa gaiola. Você pode ser muito mais do que você é agora. Você só precisa dar o primeiro passo.”

Eu respirei fundo e tomei coragem. Eu saí da gaiola e senti o vento bater nas minhas penas. Eu senti uma emoção indescritível de liberdade e felicidade. 

Eu comecei a voar pelo céu azul e vi coisas maravilhosas que eu nunca tinha visto antes: O mundo era maior do que eu imaginava, era um mundo que eu não conseguia ver da minha pequena gaiola… Pelo desconhecido eu fui encontrando outros passarinhos como eu, assustados, perdidos, mas que me acolheram e me ensinaram muitas coisas novas.

Eu percebi que sair da gaiola foi a melhor decisão da minha vida. Eu abri a minha mente para uma nova ideia, um novo mundo. E isso mudou toda a minha vida e a minha história.

Eu ainda sou um passarinho assustado. Todo dia eu descubro um novo medo dentro de mim. Daí eu sempre lembro do dia que eu fugi da minha gaiola, naquele dia eu também senti muito medo, mas eu consegui, eu me apego a essa lembrança, isso sempre me dá forças para voar outra vez rumo ao desconhecido.

Nada mais me prende.

E você? 

Você também se sente como um passarinho preso em uma gaiola? 

Você também tem medo de sair da sua zona de conforto e enfrentar o desconhecido? 

Você também tem sonhos que estão sendo sufocados pela rotina?

Se a resposta for sim, eu te digo: não tenha medo. Você também pode ser livre como eu fui. 

Você também pode abrir a sua mente para uma nova ideia, um novo mundo.

Você só precisa dar o primeiro passo.

@WellasDiniz


O que você achou do post?

Gostei
8
Inspirador
9
Amei
24
Necessário
7
Engraçado
0
Wellas Diniz
Escritor, produtor audiovisual, criador de conteúdo digital, editor de vídeos para cinema, TV e internet. Amo ler e escrever sobre motivação e acredito que uma boa troca de ideias é capaz de transformar o dia de alguém.

Veja também

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

três × 3 =

Mais em:CRÔNICAS